A editora Contexto lançou no Brasil a tradução do livro The Vanishing Newspaper, de Philip Meyer, que em português recebeu o título instigante de Os Jornais Podem Desaparecer? Trata-se de uma polêmica obra que prevê a “morte” dos jornais impressos até o ano de 2043 e causou certo furor quando do seu lançamento na Carolina do Norte (EUA).

Na obra o autor diz que o modelo atual de jornalismo está com os dias contados e que será preciso repensar toda a forma de se fazer jornalismo. Apesar do título, o livro é um alerta para que se tente salvar o jornalismo. Meyer faz um apanhado da história do fazer jornalístico apontando a sua necessidade para a vida em democracia.

Num trecho do livro o autor diz que as novas tecnologias – como a internet – são alguns dos fatores que trouxeram uma mudança definitiva na prática jornalística e que fizeram o modelo impresso passar a correr risco de extinção por não conseguir se renovar na mesma velocidade.

“O jornalismo está em apuros. Este livro é uma tentativa de fazer algo a respeito. (…) O modelo de negócios dos jornais tem sido transformado de tal modo pelas novas tecnologias que a fórmula do sucesso pode mudar de modo inesperado. O passado nem sempre é o prólogo”, diz Meyer salientando que o bom jornalismo sobreviveu à ameaça trazida pela internet.

“No último século, o bom jornalismo sobreviveu — mesmo sem prevalecer sempre — a muitas mudanças tecnológicas. A internet é apenas o mais recente de uma série de avanços que contribuíram para a “segmentação” da mídia.”

No capítulo final do livro Meyer faz “um apelo por solidariedade entre homens e mulheres responsáveis pelo dia-a-dia do jornal e de quem depende, em última instância, a continuidade de seu padrão”, no sentido de não deixar a profecia que vaticina o fim do jornalismo impresso se concretizar. É uma leitura que vale a pena tanto para quem vive de fazer jornal e estudantes de jornalismo, quanto para quem tem no jornal impresso a sua leitura diária, ainda saborosa, entre um gole e outro de café.

Anúncios